sábado, 15 de dezembro de 2012

O que é contemporâneo?

O que é contemporâneo? Essa é uma pergunta de difícil resposta, afinal, moderno/tradição, atual/arcaico, velho/novo, moderno/pós-moderno, compõem um glossário daquilo que pode arbitrariamente ser chamado de contemporâneo. 

O contemporâneo é uma experiência radical em que tudo pode ser encaixado. O permanente de hoje, a perpetuação de uma fantasmagoria recalcitrante como se o ontem, cada vez mais distante, fosse naturalizado. Então, quando o hoje não apresenta perspectivas futuras, o ontem é presentificado, colocado como uma perspectiva que, ainda que não atual, coloca-se como se fosse. 

O cinema, a literatura, as artes plásticas, a fotografia, a música, têm nos mostrado experiências do que é ser contemporâneo. Fazem-nos sentir sensações novas, completamente inéditas, ainda que tais experiências no plano da existência já tenham sido vividas. O que é novo e a percepção sobre elas é viver como se fossem ainda não-vividas. Isso é uma experiência contemporânea. Giorgio Agambem tem se debruçado sobre o que é contemporâneo, para ele, uma experiência do indelével.   

As imagens de massacres em escola dos Estados Unidos em que jovens são mortos num lugar simbólico como a escola é contemporâneo porque dessacraliza um lugar até então ilibado. As mães nos Estados Unidos precisam levar seus filhos às escolas, mas ficarão cada vez mais receosas. 

Gozar da sensação de ficar famoso da noite para o dia também é uma experiência contemporânea, ainda que a fama dure quinze minutos. Muitos dos assassinos dos massacres em escolas dos Estados Unidos, mesmo sabendo que seriam presos ou mortos, mataram pela fama. 

A proliferação de paparazzis, de revistas sobre a intimidade das pessoas, do sucesso do facebook são outros sintomas disso. A necessidade de exploração de um rosto anônimo é a própria dialogicidade da competição contemporânea. Em meio à dificuldade de ser diferente, de dizer algo num mundo cada vez mais exótico e ao mesmo tempo igual, é o fetiche que leva as pessoas a notabilizarem suas existências, ainda que a exposição seja cada vez mais efêmera. As pessoas se cansam cada vez mais do que é diferente e vão em busca de algo mais diferente ainda; na música, na comida, no cinema, na moda, nas viagens.

Por isso que consumir poesia é tão difícil. Para ler poesia é preciso condensação, tempo, e poucas pessoas se dão ao trabalho de se darem tempo; a vida é cada vez mais veloz.

Por isso também o sucesso de blogs, por exemplos; escrita rápida, meio cronista, meio jornalística, sem grandes textos. O blog é um fenômeno contemporâneo, o mp3 também, a internet móvel, tabletsipodsiphones

Ser contemporâneo é como estar numa estação de metrô hipermoderna. Se perder o próximo carro, trem, vem outro, mas você vai chegar atrasado, ainda que sejam apenas três minutos.               








Nenhum comentário:

Postar um comentário