quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Déjà Vu

(Henrique Borralho e Patrícia Luzio)

Te vejo cansado
de algo sem nome
com imenso volume
que se dobra e redobra
formando olhos
pregados em algo
que não se vê

Talvez à lume
uma esperança
um soslaio sem nome

Uma certeza pusilânime?

Apenas olhos pregados
de algo que não quer ver
e que nem se lembra
que já viu
– aliás, está cansado de saber.


Nenhum comentário:

Postar um comentário