terça-feira, 19 de novembro de 2013

Consciência Negra IX (minha África agora chora)

Descrição: http://img299.imageshack.us/img299/2728/worldpressphoto2005ln7.jpgPor Jose Antonio Basto



I
Ó minha negra África!
Quantas desgraças em teu chão...
Sangue e gritos de solidão
Arrasados de tristezas,
Cangas... ferros no pescoço
Uma cruz do cadáver o osso,
Na pele corre a natureza.

Descrição: http://faceaovento.files.wordpress.com/2009/11/caravana-de-escravos-a-caminho-da-costa.jpgII
Leões dos castigos abriram suas selvas
Em busca de tua gente que ainda é escrava
Um povo de cultura e de alma brava
Tentando resgatar sua memória,
Senhora mãe de Ganga desordeiro,
Mãe de todos os terreiros...
Torrão e berço da história.

III
Somos todos teus filhos
Desses tempos ancestrais
Descrição: http://t1.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcRtHydnm_JCm3bVfpHOYNiXHa86bBKg7DyhyxYCbnT4cDTLC2NB-gDispara das tribos aos cais
Acorrentados então...
Rumo a uma terra distante
Sobre o mar desce o turbante!
Partindo o coração.

IV
África! Ouvimos os teus tambores
Em ecos de nostalgias...
Da chibata à noite fria,
Bacalhau e cativeiro...
Descrição: http://t0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcTWj7EvXTnRkonqn1ItKF0mYpz4uRheS0KFZQgIwcYpDOwFyPQ4Lá está todas as crenças
E também uma festança
Berimbau toque ligeiro!


 V
Crime hediondo em fim...
Loucuras da humanidade
África da eternidade
Trezentos anos de dor!
Os cabelos não são nada
Descrição: http://t3.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcSV5y6vxZibEWjr8q3xIaNgqxcKJ5xzRsxINq03rjEKev5FG4CEFQSombra vulgar disfarçada
Desses tempos de horror!

VI
Somos netos de Angola
E bisnetos de Ruanda
De Guiné veio uma banda
Animar o carnaval...
Do Congo fica o dendê
Da Serra o Catinguelê
Ó continente imortal!

Descrição: http://t0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcSFlPOYHkXfc7vpqlaASx8fE3rkL--gCGmUBSXGEtpJRjs1S-cvVII
Grande África sofrida,
Que trabalhou para o mundo
Escravizas-te imundo!
Ninguém mais ver como és...
Retornamos a cinco mil anos
Manchando de sangue o pano
Pano que cai aos teus pés.

VIII
Viva a fumaça da pólvora!
Da luta pelo o direito
Brasil e outros suspeitos
Com fogo em brasa e sem regras...
Relembramos hoje a vida...
Desta gente esquecida!
No “Dia da Consciência Negra.”

Urbano Santos-MA
20 de Novembro de 2013
*Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra

*Uma homenagem aos 318 anos de assassinato de Zumbi dos Palmares, ato esse que se tornou na maior força de lutas pela a igualdade dos negros no Brasil. Zumbi que se tornara símbolo oficial do Movimento Negro em nosso país é, um herói do povo. O 20 de novembro para a memória do negro que ainda hoje clama por direitos sociais, esta data é mais importante do que o 13 de maio, pois a D. Isabel não sofreu... tampouco lutou pelo fim da escravidão, apenas assinou a falsa Lei Aurea, sendo que ainda existe escravo em nossa pátria. Hoje recordamos não apenas a coragem de Zumbi, mas as agruras de nossa Mãe África que vem derramando o seu pranto de dor: de miséria, desnutrição e guerras civis. Lembre-se leitores que África não é só negatividade da mídia burguesa, mas ela foi e continua sendo o “Berço da Humanidade” – foi lá que aconteceu grandes feitos para o desenvolvimento do mundo como por exemplo: o primeiro código de leis do mundo, as teorias da evolução, programas de irrigações hidráulicas, estudos nas áreas de Astrologia, Matemática e Medicina; lá estava maravilhas do mundo como a Biblioteca de Alexandria e os muros do Zimbábue, a história da Bíblia também se completa por ali como a coroação de Hailê Selassiê I – Imperador da Etiópia o 222º patriarca da Dinastia Salomônica. Então a África é tudo isso, nós brasileiros somos seus filhos... portanto celebrando no gingado da capoeira, na degustação do vatapá, no toque do berimbau, do caxixi, ganzá e atabaque; somos negros no samba, no reggae, na congada, no maracatu, no frevo e no carnaval; somos negros no sangue, no cabelo, no nariz largo e nos lábios extensos. Somos todos negros na história de dor e também de conquistas nos breves capítulos da Lei Federal 10.639/2003. Somos AFRO-BRASILEIROS... descendentes de guerreiros audazes que nunca se entregaram nas longas batalhas até hoje em busca da mais linda e entoada palavra: “LIBERDADE.” 

Um axé e um abraço do modesto autor.

J.A.Basto





Nenhum comentário:

Postar um comentário