domingo, 24 de junho de 2012

espaço urbano, memória e sociabilidade

Eram tempos felizes aqueles. Tempos de infância, ingenuidade e muita traquinagem. Depois do colégio, primeiro, o Instituto Senhor do Bonfim, depois, o Freitas Figueiredo, o almoço, logo em seguida, brincar de ser motorista e passageiro com um aro feito de pneu de carro tendo por condutor, Daniel, filho de seu Juca e Dona Vitória. Era a primeira brincadeira porque começava às 13:00 h, sol forte na moleira. Depois, comandado por Darlan, jogo de botão, esfrega porcelana na calçada para ilustrar os grandes jogadores. Meu time sempre perdia, nunca fui hábil. Em seguida, a boa e divina bola, às vezes na rua, ralávamos muito no asfalto, às vezes no CSU da Cohab, no campinho, espaço nosso onde nossa trupe cresceu junta, grande espaço de lazer.

Nosso time de futebol era a Portuguesa, equipagem comprada pela Dona Antônia, já falecida, mãe de Kekê. Os números foram bordados pela avô de Lúcio, dona Irene, também falecida, juntamente com sua filha, Dona Vitória. Eram zelosas conosco, cuidavam da gente. Eu era zagueiro. Foi com Lúcio que peguei a minha primeira e última pisa de Currupira.

Certo dia, meu pai disse para eu não ir caçar no mato. Mato se entende hoje os bairros do Cohatrac e Planaltos. Eu “odeio” (risos) esses bairros, afinal, “eles” destruíram a mata em que nos brincávamos. Vimos esses bairros nascerem.

Esperei que meu pai dormisse, peguei a baladeira (estilingue) pendurada na rede, cortei a vasilha de plástico de água sanitária no topo, amarrei na cintura, enchi de pedra e mamona e fui bater na casa de Lúcio para caçar passarinho. A Rua 8 era o istmo que separava o último espaço urbano entre a Cohab e a Maioba, entre esses, uma imensa mancha verde. Lúcio acertou e matou um anum, errou um rouxinol. Era a minha vez. Mirei num chico-preto, foi quando ouvimos a mata quebrar, passos largos e rápidos em nossa direção, bem próximo de nós avistei os pés para trás, gritei: Currupira!!!!!! E perna-pra-que-te-quero, deixando tudo. Quando chegamos ao asfalto, nossas pernas estavam todas ensaguentadas, fruto dos espinhos de tucum que cruzamos sem darmos conta. Nunca mais cacei passarinho, odeio vê-los em gaiola.

Uma de nossas outras diversões era banhar no Rio Itapiracó: límpido, águas cristalinas, cercado de muito verde, calmaria, paz. Levávamos quase meio dia para chegarmos a ele. Na volta para casa, cortávamos toras de bambu para fazer armação de papagaio (pipa), havia uma quantidade imensa de bambu. Soube que o Rio Itapiracó virou esgoto. Recuso-me a voltar lá. Não quero ver.

Raras vezes íamos ao matagal no Terceiro Conjunto onde hoje é a ocupação Isabel Cafeteira, para brincarmos de polícia e ladrão. Tudo aquilo ali hoje está ocupado.

A Cohab começou ser construída em 1968, dentro do plano de expansão do antigo BNH e do processo de expansão urbana da cidade com a criação das avenidas Jerônimo de Albuquerque, Franceses, Portugueses, Daniel de La Touche, Africanos e Holandeses, eixos condutores da cidade.

Precisamente na Cohab, cuja Avenida Jerônimo de Albuquerque passa, havia uma ramificação do Rio Anil: grande e extenso, hoje, completamente desaparecido, soterrado.

O IV Conjunto, o último a ser construído, bairro onde me criei, é de 1973-1974. Minha rua, a 17, meus pais foram os primeiros moradores e permanecem lá até hoje. Dessa rua eu vi o mundo, primeiro através das brincadeiras, depois, subindo no telhado de minha casa.

Por ser um bairro muito distante, hoje não mais, a noção de referência muda, existem bairros hoje mais afastados do centro; minha trupe só saía para coisas que o bairro não possuía; como hospitais, cinemas e congêneres, de resto, a noção de brincadeira era impensada fora de nossos domínios. Nosso bairro era nosso mundo.

Ali, brincávamos de chutar lata, explodir lata de alumínio com bombas de morrão, cola-bandeira, jogar pedra nas casas alheias, tocar campainha e sair correndo, empinar papagaio (pipa), fazer cerol para lancear, dar sacalão, correr atrás de papagaio de compasso, borboleta, bola, roubar carretel de linha, empinar curica, cair no poço. Cair no poço era uma forma muita ingênua de beijar as garotas, da qual não trago boas recordações. Eu era o mais jovem, menor e feio dos meninos. Depois de muito tempo, saquei por que as meninas na minha vez sempre pediam abraços e beijos no rosto, nunca salada mista – beijo na boca. Quem apertava os olhos de quem iria beijar o garoto nunca pressionava, indicando ser alguém desinteressante. Otávio, Paulinho, Lúcio, levavam todas. Tempos depois, talvez por pena, quem primeiro me beijou foi Nenê. Nunca esqueci aquele beijo.

Tudo entre nós girava em torno do nosso bairro: festas, lazer, comemorações, até o ano de 1985, quando algo começou a mudar entre a gente. Esse ano marca a inauguração do Shopping Tropical, no bairro do Renascença. Eu tinha exatos 11 anos. Até aquele momento vestíamos roupas de domingo para ir à missa ou nos preparávamos para as festas. Havia uma competição ingênua para exibição da basqueteira (hoje tênis), a calça e camisa novas.

A partir daquele ano, começamos a nos vestir para apreciarmos as vitrines, passearmos pelo shopping, sem comprar nada, obviamente, eram todos muitos pobres. Esse ritual começou a ficar cada vez mais frequente, e a Cohab começou a ficar pequena para nós. Nosso espaço de sociabilidade começou a mudar, afinal, era um longo trajeto entre a Cohab e o Renascença, e víamos paulatinamente as transformações urbanas na cidade; perdemos a ingenuidade, a infância, queríamos ser adultos-infantis, começamos a querer consumir.

As brincadeiras pueris perderam o sentido. Deixamos de lado o carrinho de rolemã, patinete, o andador de lata (duas latas ligadas por um fio), a roda de pneu imitando um ônibus, as bombas de morrão, a camisa descoarada da portuguesa, o cancão desenhado no asfalto, as baladeiras com mamonas pra caçar, o Rio Itapiracó, correr de bicicleta, nem todo mundo tinha, então até a cargueira do Sr. Machado entrava na roda, jogar bola no colégio Geraldo Melo, dançar na quadrilha do Joca – a Princesinha da 13 –, ouvir as batidas ritmadas do bloco tradicional Os Vigaristas, de Sr. Valterlino, pegar suquinho fiado na casa de Dona Irene, ir às festas na casa de dona Nicinha, subir no telhado de zinco do ginásio do CSU, disputar campeonato de futebol, jogar vôlei, brigar entre a gente como rito de passagem e demonstração de dureza. Eu sempre apanhava, era o mais fraco.

Nunca vou me esquecer quando minha mãe sempre pegava na minha cabeça para saber se estava quente de sol, se estivesse, era sinal que havia desobedecido à ordem dela de não sair, além da célebre frase: “se apanhar na rua, vai apanhar em casa também”. Eu apanhava duas vezes. Meu amigo Kekê sempre me batia. Hoje dou risada: tenho 1,83 de altura, 107 kg, ele ficou um pirralho. Risos.     

A cidade ficou maior que a Cohab. Hoje entendo o que Piaget afirmou quando disse que a percepção de tempo entre o zero e os quinze anos é maior do que entre os quinze e os trinta, embora cronologicamente sejam o mesmo período. A diferença é a noção de tempo. Nos anos iniciais não há passado e futuro, somente presente, nos anos posteriores sabemos o que vivemos, o que temos para viver, por isso, a ansiedade é maior, por conseguinte, a percepção de que o tempo passa mais depressa.

Hoje, todos crescemos. Alguns se casaram, descasaram, tiveram filhos, foram embora, seguiram seus rumos, amadurecemos, nos perdemos de vista. Alguns poucos ainda moram por ali. Sempre revejo alguns quando visito meus pais. Tempos felizes.

Com o risco de esquecer nomes, por vezes sentado na porta dos meus pais me lembro da cena de todos sentados na calçada de Dona Irene tentando decifrar mímicas: Dalbequis, André, Jacqueline, Fernando, Otávio, Felipe, Luis, Eron, Diquinho, Fernanda, Daniel, Ligia e Regina, Darlan, Nenê, Dadá e Shirley, Nickson, Nilson, Ruthane e Rúbia, Lúcio e Rogério, Cinthia, Gibson, Kekê, Samia e Nega, Miúda, Cristina, Paulinho e Fabinho, Denilson. Além dos vizinhos da Rua 13, Avenida 03 e Ruas 16 e 15: George e Urbano, Glauber, Cacau, Alan, Fabrício, Cabeça, além da moçada mais velha: Douglas, Pininho, François, Kennedy, Edinho, Sérgio, Nato, Wellington, Wenner, Nerino e Zé Raimundo, Gari, e meu amado irmão Homell, que me batizou pela alcunha de “Caga-pau”, ou seja, cagueta. Sou flamenguista e canhoto por causa dele. Eu era destro, mas ele me ensinou Karatê e a chutar com a perna esquerda. Sou destro na escrita e canhoto na perna.    

Depois veio a segunda geração, mais nova, já com outras brincadeiras: Preá, Felipe, Luiz Fernando, Fernando, Alan e Júnior, Pimpolho, Marcelo, Marrame.

Definitivamente, o mundo passou a ser a nossa casa, a Cohab deixou de ser o nosso planeta para ser o lugar de nossa infância.                              


11 comentários:

  1. 'Nos anos iniciais não há passado e futuro, somente presente, nos anos posteriores sabemos o que vivemos, o que temos para viver, por isso, a ansiedade é maior, por conseguinte, a percepção de que o tempo passa mais depressa'...perfeito, amigo Henrique! DEZ para sua sensibilidade na colocação dos fatos. Bjsss.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. o que dizer de ti celita. beijos e obrigado por tudo. abraços

      Excluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. muito bom Henrique. Mas sobre a sua mata, hoje é um bairro maneiro: Cohatrac City

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. poeta-de-papel, é claro que admiro o cohatrac, afinal, eu me divertia no club de lá, além das festas juninas e outras diversões. foi só uma brincadeira

      Excluir
  4. Nossa, lendo a tu crônica, a lembrança da tua infância, me transportei e revivi a minha! Adorei! Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. obrigado querido (a). que bom que gostou. abraços

      Excluir
  5. tb cresci na Cohab, mas dizer que o Cohatrac destruiu a mata, nao, nao, a Cohab tb destruiu, ou o que havia lá antes entao, mas enfim boa memória...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. meu caro (A) estava brincando, é claro que gosto do cohatrac, é que na minha infancia era assim que eu enxerga o bairro. abraços

      Excluir